No primeiro dia de vacinação contra a Covid em farmácias, o movimento foi tranquilo nas duas unidades da Drogaria São Paulo que começaram a aplicar as doses neste sábado (4), em São Paulo. Até as 15h20, apenas quatro pessoas receberam a imunização na farmácia localizada na avenida Paulista.

Segundo a administração da unidade, outras três pessoas tinham agendado para receber a vacina ao longo do dia. Daiana Zorzo, gerente farmacêutica da unidade, disse que a maior procura pelo imunizante tem sido de clientes com menos de 60 anos em busca da quarta dose.

A drogaria, porém, não está atendendo esse público, já que afirma seguir “rigorosamente os critérios adotados pela Anvisa”.

Assim como na rede pública, só quem tem a partir de 60 anos pode receber a quarta dose, desde que a aplicação anterior tenha acontecido a quatro meses ou mais.

Neste sábado (4), porém, o Ministério da Saúde liberou a quarta dose da vacina contra a Covid-19 para pessoas com 50 anos ou mais e trabalhadores de saúde de todas as idades. O estado de São Paulo informou que a aplicação para esta nova parcela da população já se inicia na segunda-feira (6).

Questionada, a Drogaria São Paulo disse que vai avaliar a nota técnica para vender a vacina para este grupo também. No momento, além da quarta dose para as pessoas com mais de 60 anos, a rede aplica o imunizante em pessoas com idades entre 18 e 59 anos interessados na segunda ou terceira doses.

Este foi o caso do publicitário Marcos Zapater, 40, que buscou a farmácia para a aplicação da terceira dose do imunizante. Mesmo com a possibilidade de se vacinar gratuitamente nos postos de saúde, ele disse que preferiu pagar R$ 229 pela “praticidade e agilidade”.

Zapater afirmou que teve dificuldades de achar a terceira dose do imunizante na rede pública. “Na sexta após o feriado de Tiradentes fui em três postos e estavam fechados. Preferi pagar e já resolver”, afirmou. Outro motivo, segundo ele, é o aumento de casos de Covid em familiares e amigos próximos.

Já a advogada Marcela Barretta, 41, disse que optou pagar pela terceira dose por estar se sentindo desprotegida. Ela disse que tomou a vacina da Janssen (de dose única) em julho do ano passado, e a da Pfizer em dezembro. “Já faz seis meses, e como vai demorar para eu poder tomar mais uma dose nos postos já preferi pagar e me imunizar.”

A vacina aplicada pelas farmácias é da Astrazeneca, importada. Além da unidade da avenida Paulista, o imunizante é vendido na Drogaria São Paulo da avenida Lavandisca, 116, em Moema, na zona sul. É preciso fazer agendamento. Como nos postos de saúde, para ser imunizado contra a Covid em farmácias é preciso levar comprovantes de vacinação e de identidade.

Desde a última segunda-feira (30), a vacina contra a Covid-19 começou a chegar na rede particular. De acordo com a ABCvac, o preço da dose custa deve custar até R$ 350. Algumas clínicas particulares já estão vacinando contra a Covid ou montando grupos, porque cada frasco tem dez doses, que precisam ser aplicadas em até 48 horas após aberto.

De acordo com a ABCVac, a vacina da rede privada é igual à aplicada na pública, tendo sido importada diretamente da fabricante –apenas as embalagens são diferentes.

Fonte: tv gazeta

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.