Um simples bolo de aniversário quase virou caso de polícia no último domingo (30) no Rio de Janeiro. Uma empresária do ramo de festas que organizou a celebração de 1 ano de uma bebê relata que teve o quitute furtado por um motorista de transporte por aplicativo.

Paloma Branquinho mora em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, e encomendou o doce de uma fornecedora de confiança que mora em Inhaúma, na Zona Norte.

O carro já estava na porta da fornecedora, quando o motorista entrou em contato com a empresária para perguntar o destino e acabou cancelando a corrida.

Quando Paloma tentou avisar que pediria um novo carro, já era tarde demais: o motorista acabou levando o produto… sabe-se lá para aonde. Ela relatou o caso em uma rede social.

“Ele me mandou uma mensagem perguntando pra onde seria o local e informei que seria em Jacarepaguá. Logo em seguida, ele cancelou a corrida, mas já estava em frente da minha fornecedora. Eu mandei uma mensagem dizendo que ele tinha cancelado e que eu estava pedindo outro carro, mas ela não viu. Ele pegou o bolo e foi embora“, conta.

Para a empresária, o motorista estava mal intencionado. “Percebi na hora que era golpe porque o outro motorista já estava chegando no local. Ele não tinha iniciado a corrida, então não sabia para onde teria que levar o bolo. Ele simplesmente agiu de má-fé. Entrei em desespero”.

A empresária conta ainda que chegou a recorrer a um botão de emergência do próprio aplicativo para entrar em contato com a polícia, mas foi avisada de que deveria procurar a empresa.

A empresa, por sua vez, informou apenas que o motorista disse não ter pego o produto.

“Gente, uma festa de criança! Roubar bolo de uma festa de criança! Imagina o transtorno que isso ia causar. É surreal, nunca vi isso na minha vida”, desabafou.

Pra não estragar a festa, nem correr o risco de ser processada, Paloma ligou para a fornecedora novamente e encomendou um novo bolo. Agora pagando do próprio bolso.

“Tinha prometido esse bolo às 15h. Eu falei que ia resolver. Cheguei com o outro bolo praticamente na hora do parabéns, às 19h15”, conta.

O doce — que era pra ser de brigadeiro — acabou virando de beijinho de coco. Era o que dava pra fazer com os ingredientes que restaram na casa da boleira.

“O bolo ainda chegou quentinho na festa…”

Sobre o caso, a Uber disse que “os relatos da usuária e do motorista parceiro apresentam contradições, que só poderão ser elucidadas pelas investigações” e que “está à disposição das autoridades competentes para colaborar, nos termos da lei”.

Fonte: TV Gazeta

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.