Trabalhadores que estavam à procura de emprego no início do mês de julho foram vítimas de empresa fantasma que tinha o escritório localizado no bairro da Cambona, na cidade de Maceió. A oferta de mais de 2 mil vagas de trabalho foi divulgada pelo Sistema Nacional de Emprego em Maceió (Sine) e atraiu vários candidatos, que formaram longas filas na capital. Alguns dias após o cadastro, a entrevista e ao pagamento de uma taxa que estava sendo cobrada pela empresa, eles tomaram conhecimento de que haviam sido vítimas de um golpe e precisaram recorrer à polícia.

Gilson Cavalcante, de 45 anos, foi uma das pessoas que procuraram diretamente a empresa, que no contrato recebe o nome de ECAT (Energy Catalizer Reattor), para participar da entrevista de emprego. Ele relata que tudo no escritório parecia regular.

“Vi o anúncio em um site e não tive dúvidas, fui direto ao escritório e fiz a entrevista com uma mulher que me atendeu no RH. Entreguei todos os meus documentos e até reconheci firma na empresa. Lá, eu efetuei o pagamento de uma taxa que estava sendo cobrada, que era de R$12,92”, afirma Gilson.

Daniel Alves também foi uma das vítimas do golpe e conta que preferiu comparecer ao Sine para conseguir a documentação assinada pelo Sistema e assim ter o encaminhamento. “Até agora nós ficamos sabendo que cerca de 200 pessoas também assinaram o contrato no Sine, fora quem foi direto na empresa. Eles nos deram 15 dias para um retorno e no dia primeiro de agosto já começariam os exames”, explica Daniel.

As seleções foram encerradas no dia seguinte e quando os interessados retornaram ao lugar da entrevista, não encontraram mais nada. “Retornei ao endereço informado no site e tudo tinha sumido. O escritório estava sem o nome e quando perguntei ao responsável pelo prédio se a empresa tinha se mudado, ele respondeu que saíram sem avisar e não efetuaram o pagamento do aluguel”, conta Gilson.

O Sine

Após tomar conhecimento que os candidatos ao emprego tinham sido vítimas de um golpe, o Sine do estado orientou que eles procurassem a delegacia para registrar um Boletim de Ocorrência (BO).

Por telefone, uma funcionária do Sistema Nacional de Emprego contou que todos ficaram muito felizes com a notícia de que uma empresa estava ofertando mais de 2 mil vagas de emprego na capital alagoana e que suspeitaram que havia algo errado somente quando a suposta empresa pediu a suspensão da seleção um dia depois de ela ter começado.

“O Sine também foi lesado. Pedimos desculpas às pessoas e orientamos que elas procurem a polícia”, destacou a funcionária. Para se cadastrar e pedir a intermediação do Sine para seleção de funcionários, as empresas precisam preencher um formulário com informações como CNPJ.

A partir daí, o Sistema Nacional de Emprego faz uma pesquisa e analisa se a empresa está apta a contratar ou não. “Esse caso foi uma lição para nós. A partir de agora, vamos fazer uma seleção mais rigorosa”, afirmou.

O Sine municipal informou que está tomando as medidas cabíveis para que os responsáveis sejam punidos judicialmente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.