Após semanas de alta de casos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), o último Boletim InfoGripe da Fundação Oswaldo Cruz apresentou panorama diferente, com sinal de queda de casos em capitais e estados, incluindo Maceió e Alagoas. Os dados compreendem o período de 13 a 19 de fevereiro, com base nas informações inseridas no Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe até 21 de fevereiro.

Maceió é uma das 17 capitais brasileiras a apresentar sinal de queda na tendência de longo prazo, assim como Alagoas é uma das 22 unidades da federação a seguir a mesma tendência.

“Apresenta panorama nacional com manutenção do sinal de queda nas tendências de longo prazo (últimas seis semanas) e curto prazo (últimas três semanas), com ampliação da quantidade de estados com sinal de queda de casos notificados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)”, informa o último boletim.

Em vinte e duas das 27 unidades da federação há sinal de queda na tendência de longo prazo e sinal de estabilidade ou queda na tendência de curto prazo, exceto em Tocantins. Já no Acre e no Piauí há sinal de crescimento na tendência de longo prazo (últimas seis semanas), e duas delas, Roraima e Tocantins, apresentam sinal de crescimento apenas na tendência de curto prazo (últimas três semanas).

“A Covid-19 continua predominando entre os casos com resultado laboratorial positivo para vírus respiratórios. Nas últimas quatro semanas, a prevalência entre os casos positivos foi de 0,9% Influenza A, 0,1% Influenza B, 1,7% vírus sincicial respiratório, e 90,8% Sars-CoV-2 (Covid-19), com o restante associado a outros vírus. Entre esses casos com identificação laboratorial, os que evoluíram para óbito tiveram prevalência de 97% para o Sars-CoV-2 nas últimas quatro semanas, avalia o Boletim InfoGripe”, detalha o boletim.

Nas capitais apenas três das 27 apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo (últimas seis semanas): Boa Vista (RR), Cuiabá (MT) e Teresina (PI). Em outras três observa-se sinal de crescimento apenas para a tendência de curto prazo (últimas três semanas): Belém (PA), Rio de Janeiro (RJ) e Vitória (ES).

Já em 17 delas observa-se sinal de queda na tendência de longo prazo: Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), plano piloto de Brasília e arredores (DF), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Porto Velho (RO), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Luís (MA), São Paulo (SP) e Vitória (ES). Dessas, apenas Rio de Janeiro e Vitória apresentam sinal de crescimento na tendência de curto prazo. Todas as demais apresentam sinal de queda ou de estabilização nas últimas três semanas.

Em seis dos 27 estados observa-se ao menos uma macrorregião de saúde com sinal de crescimento nas tendências de longo ou curto prazo: Acre, Pará, Roraima e Tocantins no Norte, Piauí no Nordeste e Rio Grande do Sul no Sul. Em relação às estimativas de nível de casos de SRAG para as macrorregiões de saúde, observa-se apenas duas em nível pré-epidêmico, quatro em nível epidêmico, 74 em nível alto, 34 em nível muito alto e quatro em nível extremamente alto.

Fonte: TV Gazeta

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.